Top 10 livros de executivos de sucesso que vale a pena ler

Top 10 livros de executivos de sucesso que vale a pena ler
Executivos de sucesso costumam compartilhar suas histórias e ensinamentos em palestras, entrevistas e também em livros. Entre uma infinidade de publicações, as que valem a pena ler são as que não se limitam a orientações desgastadas e rotineiras.

Para não cair no senso comum, o Business Insider preparou uma lista com dicas de livros de empresários de grandes companhias que valem a pena ser lidos. Entre os autores, estão Bill Gates, da Microsoft, e Howard Schultz, da Starbucks.

"Minha vida na Geral Motors", Alfred P. Sloan Jr.

Mais do que um livro de memórias, “Minhas vida na General Motors” é um manual sobre como comandar uma grande organização. O autor, Alfred P. Sloan Jr., foi CEO da General Motors (GM) entre os anos de 1923 e 1946, quando a companhia foi uma das maiores do mundo. O livro, publicado no Brasil pela editora Record, traz lições sobre descentralização e a estrutura da empresa moderna.

"Reinvente sua empresa", Jason Fried e David Heinemeir Hansson

O livro pretende apresentar formas mais rápidas e eficientes para se ter sucesso nos negócios. O esforço dos autores é mostrar que você precisa menos que do que imagina para atingir esse objetivo. Mostra que planos podem ser prejudiciais e atentar-se demais à concorrência, também. Jason Fried é CEO do Basecamp, plataforma online de gestão de projetos, e do programador David Heinemeir Hansson. Foi publicado no Brasil pela editora Sextante.

"Let my people go surfing", Yvon Chouinard

O livro é um guia de gerenciamento corporativo que contesta regras tradicionais de uma empresa, com base na chamada filosofia ambiental. "Nenhum jovem garoto cresce sonhando em um dia se tornar um homem de negócios", diz o CEO da Patagonia, empresa de roupas e equipamentos para esportes de aventura. "Ele quer ser um bombeiro, atleta ou um guarda florestal", diz o autor. Chouinard, que conta que queria ser um caçador de peles quando criança, manteve o espírito aventureiro no mundo dos negócios. Com isso, estimula a criação de cadeias de fornecimento sustentáveis e incentivava seus funcionários a surfarem durante o dia.

"The hard Thing about Hard Things", Ben Horowitz

Qual a questão mais difícil dentre as questões difíceis? É o fato de elas não terem uma reposta pronta, diz Ben Horowitz, que foi CEO da empresa de tecnologia Opsware - antes de ela ser comprada pela HP por 1,6 bilhão de dólares. No livro, ele propõe analisar as dificuldades e desafios de quem cria uma startup, como despedir de amigos e lidar com questões psicológicas. "Coisas duras são difíceis porque não existem respostas ou receitas fáceis", diz. "Elas são difíceis, pois suas emoções estão em desacordo com sua lógica. São difíceis porque você não sabe a resposta e não pode pedir ajuda sem demonstrar fraqueza", exemplifica.

"Paixão por vencer", Jack Welch

Jack Welch foi presidente da General Eletric (GE) de 1981 a 2001. No livro “Paixão por vencer”, publicado no Brasil pela editora Campus, ele dá respostas para questões desafiadoras com que as pessoas se defrontam dentro e fora do trabalho. O autor descreve seus princípios básicos em negócios e dedica-se a questões como liderar, como contratar e demitir e como progredir.

"#GIRLBOSS", Sophia Amoruso

No livro a autora, conta sua trajetória desde a juventude – quando furtava lojas e virava caçambas de lixo – até se tornar diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares e 350 funcionários. Além de sua história, o livro traz ensinamentos sobre a confiança no instinto e na intuição. No Brasil foi publicado pela editora Seoman.

"A empresa na velocidade do pensamento", Bill Gates

Em 1999, o principal executivo da Microsoft lançou um livro sobre como a natureza – e a velocidade - dos negócios mudará na era digital. No livro ele desenvolve um conceito para a sobrevivência e o sucesso de uma companhia no ambiente digital. Ele cita exemplos reais de empresas, como General Motors, Johnson & Johnson, McDonald's e a própria Microsoft "A maneira mais significativa para diferenciar a sua empresa da sua concorrência, a melhor maneira de colocar distância entre você e a multidão, é fazer um excelente trabalho com informações", escreve ele. "Como você coleta, gerencia e utiliza informações irá determinar se você ganhar ou perder”, diz.

"Dedique-se de coração", Howard Schultz

O autor do livro é Howard Schultz, o CEO da Starbucks. Na obra, ele fala sobre os princípios que levaram uma loja de café da zona portuária de Seattle a se transformar numa rede mundialmente conhecida, com mais de 20.000 unidades em 65 países. Conhecido pelo seu estilo de gestão baseado na valorização dos funcionários, Schultz entrou na Starbucks, então uma pequena rede de café, como funcionário da área de marketing. Ele tinha a ideia de abrir um pequeno bar de café expresso, mas na época suas ideias foram ignoradas pela chefia. Schultz, então, montou o próprio negócio e depois comprou a Starbucks. "As pessoas querem orientação e não retórica. Elas precisam saber qual é o plano de ação, e como ele será implementado. Elas querem a responsabilidade de solucionar problemas e a autoridade para agir sobre eles", escreveu Schultz no livro.

"Delivering Happiness", Tony Hsieh

O CEO da loja virtual de roupas e sapatos Zappos, Tony Hsieh, conta no livro detalhes sobre como funciona uma startup e resume o que, para ele, é a fórmula do sucesso nos negócios – agradar ao máximo os clientes. "A amizade por si só já é a recompensa. Quanto mais diversificado for o seu ciclo de amizades, mais probabilidade você tem de obter benefícios pessoais e no mundo dos negócios. Você não vai saber exatamente quais serão esses benefícios. Mas se as suas amizades são genuínas, esses benefícios vão aparecer de repente em dois ou três anos", escreveu no seu livro.

"Raising the Bar", Gary Erickson

O livro foi escrito pelo fundador da rede de produtos orgânicos Clif Bar, cujo carro chefe é a barra energética, Gary Erickson. Por trás da narrativa marcada pelo "como eu fiz isso", Erickson fala sobre como a marca pode se comunicar com o seu cliente em um nível para além do pessoal. "A Clif Bar ficou vulnerável por se manter privada. Eu acho que as pessoas gostam da vulnerabilidade da Clif e é por isso que eles nos ajudam na nossa jornada. As pessoas acham os melhores sabores e ingredientes para nós. Consumidores enviam para nós informações sobre sustentabilidade. Eles sabem que não somos uma companhia grande apenas tentando ganhar dinheiro", diz trecho da obra.

Fonte: Veja

 O que achou? Deixe seu comentário!



0 comentários:

Postar um comentário