6 Curiosidades bizarras sobre o amor

Ao contrário do que a maioria dos filmes e livros indicam, o amor não é bonito, pelo menos nem sempre. De fato, algumas vezes pode ser bem bizarro. Confira esse post e descubra o porque.

Amor de mãe
O Dr. Harry Harlow ficou conhecido por ser um cientista que absolutamente não ligava para animais. Sendo assim, conduziu uma série de testes com eles, sem se preocupar com seu bem-estar ou conforto. Apesar de não justificar os maltratos, alguns desses estudos foram importantes para nossa compreensão da psicologia humana.

Por exemplo, quando na Universidade de Wisconsin (EUA), Harlow decidiu determinar se e como macacos eram emocionalmente ligados a suas mães. Em um experimento, ele colocou os animais com duas “mães”: um robô que lhes dava leite, mais era frio e mecânico, e outra “mãe” de textura mais suave, que lembrava mais um macaco, mas não dava comida.

A mãe de pano não tinha leite, por isso, quando os jovens tinham fome, corriam até a mãe mais dura e, em seguida, corriam de volta para a segurança da mãe macia.

Harlow estabeleceu, assim, que o amor vem do toque e não do sustento, por isso que, quando o leite materno seca, a criança continua a amar sua mãe. Esse amor é reformulado de modo que cada interação é uma repetição e uma revisão deste contato precoce.

Seguindo essa linha, outro de seus testes mostrou que, se um macaco bebê é separado da mãe durante os primeiros nove meses, seu vínculo emocional pode nunca mais ser o mesmo.

A fantasia masculina mais fantasiosa
A fantasia sexual de muitos e o tema mais recorrente de pornôs é um completo estranho vindo em direção a você e lhe pedindo para fazer sexo com ele ou ela. Mas há alguma chance de isso acontecer na vida real?

Pesquisadores tentaram descobrir. Em 1978, o psicólogo Russell Clark pediu a um homem e uma mulher atraentes para caminhar pelo campus da Universidade Estadual da Flórida (EUA), ir até um membro do sexo oposto e dizer: “Eu tenho observado você pelo campus. Te achei atraente”, para em seguida adicionar uma das três perguntas: “Você quer sair comigo?”, “Quer ir até meu apartamento?” ou simplesmente “Quer ir pra cama comigo esta noite?”.

Enquanto homens e mulheres tinham ambos probabilidade de 50% de aceitar ir em um encontro romântico, apenas 6% das mulheres concordaram em ir para o apartamento ao contrário de 69% dos homens. E gritantes 75% dos homens disseram sim à oferta sexual imediata, enquanto exatamente zero mulheres concordaram. Surpresa? Nenhuma.

Como se apaixonar
O Dr. Arthur Aaron queria descobrir a mecânica de se apaixonar. Para isso, realizou uma experiência em 1996 envolvendo 33 homens e mulheres que não se conheciam, emparelhados aleatoriamente. Cada par teve que responder a 36 questões que iam desde perguntas mundanas até umas muito pessoais, divididas em três sessões de 45 minutos. Depois, foram instruídos a olhar o outro nos olhos por quatro minutos. Enquanto a maioria dos participantes disse que sentiu uma sensação de proximidade ou intimidade com esta nova pessoa que mal conheciam, houve uma feliz surpresa: um dos pares se casou seis meses mais tarde e até convidou o pessoal do laboratório para o casamento.

Amor humano-animal
Em 1965, o cientista John C. Lilly queria ver se era possível ensinar um golfinho a compreender e se comunicar em inglês. Para fazer isso, pediu a sua assistente de 23 anos de idade Margaret Howe para viver com Peter, um golfinho, no Caribe durante 10 semanas.

A casa foi inundada com água do mar no primeiro andar, para que eles pudessem interagir o tempo todo. No começo, Margaret tentou ensinar Peter a imitar palavras, com muito pouco sucesso. No entanto, ao longo do tempo, ela e o golfinho ficaram muito próximos, e ele começou a demonstrar “interesse sexual” pela professora, tentando conquistá-la. Eventualmente, Peter mostrou seu pênis ereto para Margaret, que mais tarde (muito mais tarde, décadas depois) admitiu ter tido um “encontro íntimo” com o animal.

O financiamento para o projeto foi encerrado e Margaret seguiu com sua vida. Peter, no entanto, morreu de coração partido. Ele foi transferido para um tanque em Miami onde rapidamente sua saúde se deteriorou.

 Cheiro e atração
Em 1995, o geneticista Dr. Claus Wedekind queria descobrir como o odor de homens excitava ou atraía mulheres.

Vários homens diferentes dormiram com a mesma camiseta por 2 noites sem usar desodorante. Em seguida, esses odores foram apresentados às participantes, convidadas a escolher o mais agradável. O estudo mostrou que as mulheres selecionavam cheiros de homens que eram geneticamente diferentes aos seus próprios cheiros (isso pode significar maior variação genética e, portanto, mais chances de uma prole saudável e forte). No entanto, quando essas mulheres começaram a tomar pílulas anticoncepcionais, suas preferências mudaram, o que pode indicar que químicos interferem em odores naturais.

Amor e medo
O Dr. Arthur Aron também fez outro experimento incomum sobre o amor, desta vez envolvendo uma mulher sexy e uma ponte, a Capilano Suspension Bridge (foto acima), localizada em British Columbia (Canadá).

A mulher atraente pedia a homens que tinham acabado de cruzar a ponte cênica superalta para escrever uma breve história baseada em uma imagem dada a eles. Depois, a mulher oferecia ao cara seu número de telefone para uma discussão mais aprofundada. Em seguida, os pesquisadores repetiram o experimento em uma ponte menor e mais resistente nas proximidades.

Nove dos 18 homens que cruzaram a Capilano ligaram para o número mais tarde, enquanto apenas dois dos 18 que atravessaram a ponte menor ligaram. Os cientistas também notaram mais sugestões sexuais nas histórias dos atravessadores da ponte Capilano.

O experimento sugere que os homens – cansados do esforço físico e/ou com medo de atravessar a ponte de suspensão – substituíram esses sentimentos negativos por excitação sexual pela mulher. “Se você quiser que alguém fique atraído por você, pode funcionar fazer com ela ou ela algo que seja um pouco excitante ou assustador”, concluiu o Dr. Aron.


Gostou? Então deixe seu comentário!


Fonte: Oddee


0 comentários:

Postar um comentário