5 formas de controle da mente que ocorrem diariamente

Propaganda e marketing podem usar a psicologia para manipulá-lo a pensar de uma determinada forma, sem que você perceba o que está acontecendo. Confira esse post incrível.

E se você acha que é esperto demais cair no blá blá blá de anúncios aos quais você sequer presta atenção, prepare-se para ficar de queixo caído.


5. A cor de uma pílula pode influenciar sua eficácia

Em “Matrix”, a pílula vermelha deixaria Neo “acordar” para o mundo real, e a pílula azul o deixaria ficar “adormecido” no mundo dos sonhos. Agora vá para a sua farmácia. De que cor são todas as pílulas para dormir?

 Azuis, certo? Se não a pílula, pelo menos sua embalagem. Isso não é coincidência. Pesquisadores descobriram que a cor de uma pílula faz diferença na forma como ela funciona. Em um estudo, cada paciente recebeu o mesmo sedativo, mas alguns o receberam em uma pílula azul e outros em uma pílula laranja. Quem tomou a pílula azul dormiu 30 minutos mais rápido, e por 30 minutos mais tempo.

Essa é mais uma manifestação estranha do efeito placebo. Esse fenômeno já ilógico também é afetado pela cor da pílula. Em um experimento diferente, os participantes foram informados de que receberiam um sedativo ou estimulante, quando na verdade todas as pílulas eram placebos. No entanto, 66% dos indivíduos que tomaram pílulas azuis relataram se sentir menos alertas, em comparação com apenas 26% daqueles que tomaram pílulas cor-de-rosa. Isso porque somos treinados a pensar que azul = sono.

Em outro estudo, quando pesquisadores colocaram vários pacotes de medicamentos falsos na frente de voluntários, eles associaram certas cores de caixas com certos tipos de remédios. Cores quentes, como marrom e vermelho, foram percebidos como mais potentes – e é por isso que remédios para o coração, por exemplo, são geralmente dessa cor. Os remédios verde e amarelo pareciam mais fracos para os participantes do estudo.

Por fim, associações de cores também são culturais. Na América, o azul é uma cor calmante, mas na Itália é associada com a equipe nacional de futebol. Assim, cientistas descobriram que pílulas azuis não deixam os italianos calmos, mas sim agitados.

4. Priming é uma técnica sinistra que te leva a fazer associações subconscientes

Sim, é perfeitamente possível manipular as pessoas para determinados comportamentos, e não estamos falando de sugestões subliminares, mas de priming – um efeito que se refere à influência de um evento antecedente sobre o desempenho de um evento posterior.

Por exemplo, já reparou que muitos mercados possuem flores logo na entrada? Quem compra flores em mercados? Quase ninguém. Então por que isso?

A ideia por trás das flores é que dar de cara com um produto altamente perecível ainda fresco te leva a pensar em frescor (priming), e você vai levar essa mentalidade até o açougue e comprar aquela carne com desconto como se ela tivesse acabado de sair de uma vaca morta no fundo do mercado.
Parece besteira – seres humanos não conectam ideias completamente alheias dessa forma, certo? No entanto, a teoria é confirmada praticamente todas as vezes que os cientistas a testam.

Por exemplo, em um estudo, participantes que ouviram palavras relacionadas a grosseria (como “agressividade”, “rude”, “incômodo”, “perturbar” e “intrometer”) interromperam o experimentador mais frequentemente durante uma conversa do que os que não tinham ouvido nada do tipo.
Em outro estudo, participantes acidentalmente esbarraram em uma pessoa, que deixou cair suas coisas. Enquanto a pessoa as recuperava, pedia aos participantes para segurar sua bebida quente ou fria. Quando os participantes foram convidados a avaliar a personalidade de uma pessoa hipotética durante a pesquisa, os que se depararam com um chá gelado eram mais propensos a chamar a pessoa de “fria” ou “egoísta” do que os alunos que esbarraram em um colega com uma xícara de café quente.

Da próxima vez que você ver um anúncio na TV, considere o que estava passando antes dele. Anunciantes pagam mais para uma colocação que leve a “priming” – por exemplo, anúncios de um serviço de emergência para veículos durante um intervalo comercial após uma cena de acidente de carro em um seriado. Vale a pena, porque estudos mostram que o priming torna as pessoas duas vezes mais propensas a comprar o produto.

3. Nosso ponto de vista sobre um assunto depende de como é dito/escrito

Pequenas alterações em um texto podem alterar também a opinião das pessoas. Por exemplo, quatro organizações separadas realizaram pesquisas para ver qual percentagem de americanos apoiava o programa de saúde Obamacare. Chamá-lo de “plano de saúde administrado pelo governo – algo como o Medicare que as pessoas idosas têm direito” levou a 66% de apoio. Chamá-lo de “um plano de saúde administrado pelo governo” despencou o apoio a 44%. Chamá-lo de “exatamente o que Mussolini teria desejado” reduziu o número de apoio para 2%.

Isso porque o cérebro pode ser manipulado com diferenças muito sutis no texto, independentemente do seu nível de conhecimento.

Em outro estudo, psicólogos sociais enviaram inquéritos a várias centenas de eleitores registrados antes de uma eleição. Metade respondeu à pergunta: “É importante votar?”, enquanto a outra metade respondeu “É importante ser um eleitor?”. As pessoas que leram a palavra “eleitor” eram quase 14% mais propensas a votar de verdade no dia da eleição (nos EUA, o voto é opcional). O uso da palavra “eleitor” levou as pessoas a identificar-se com o texto – elas SÃO de fato eleitoras, votando ou não. Enquanto isso, “votar” é apenas uma tarefa que as pessoas podem realizar ou não. O texto que traz identificação, então, pode ser mais eficiente, a um nível subconsciente.

2. Fazer coisas em conjunto te conecta com as pessoas

Já foi a um evento esportivo, com um estádio lotado, e cantou o hino nacional ou outra canção com milhares de outras pessoas? Cientistas descobriram que quando realizamos atividades sincronizadas, como recitar cânticos ou até mesmo caminhar lado a lado, acabamos nos sentindo mais conectados com as pessoas com quem estamos realizando estas atividades.

Não é o que você está dizendo ou cantando que importa. É apenas o fato de que você está realizando essas atividades em uníssono com outras pessoas. Pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA) descobriram que, quando voluntários foram orientados a andar pelo campus juntos, a simples diferença entre deixá-los andar normalmente contra instrui-los a andar lado a lado aumentou a disposição dos voluntários de cooperar uns com os outros depois.

Ainda mais surpreendente, isso não teve nada a ver com quaisquer emoções positivas criadas pelas atividades sincronizadas. Tenham ou não gostado da realização das atividades, os participantes simplesmente se tornaram mais cooperativos uns com os outros. Os cientistas concluíram que “rituais de sincronia” podem ter evoluído como uma maneira de levar as pessoas a trabalhar em conjunto e a estar dispostas a fazer sacrifícios pessoais para o benefício do grupo.

A mente humana gosta de ver rostos e formas em tudo, desde nuvens a torradas. O fenômeno tem até um nome: pareidolia.

1. Carros e suas expressões faciais

Quando vemos caras em coisas, não nos limitamos a dizer: “Ei, essa casa se parece com Hitler”. Também associamos essas coisas com emoções – e não queremos morar em tal casa.
Sendo assim, pesquisadores da Universidade de Viena (Áustria) descobriram que subconscientemente ligamos emoções a carros.

Cada carro possui dois faróis (olhos), uma grade (boca) e talvez algo que se pareça com um nariz. Então, sabendo que atribuindo emoções a objetos, seria normal pensar que a maioria de nós escolheria carros com aparência mais feliz, certo? Como um fusca.

Só que não. Quando dirigimos, não queremos fazer amigos – queremos transmitir resistência, velocidade, agressividade. Então, queremos carros com caras de “fodão”. Os mais baixos, mais largos, com uma grande entrada de ar e faróis angulares ou do tipo fenda são os que mais passam a imagem de poder. Como um Dodge Charger, que parece irritado.

Fonte: Cracked
O que achou? Deixe seu comentário!


0 comentários:

Postar um comentário