Pornografia na internet faz mal?

Pornografia ainda é um tabu? Alguns diriam que está deixando de ser. As mudanças culturais no Ocidente têm diminuído a ideia de “depravação” que por muito tempo esteve relacionada ao segmento.

E a internet está cheia dela. A cada 39 minutos um vídeo pornográfico é gravado nos Estados Unidos, a cada segundo mais de 28 mil pessoas assistem à pornografia e há mais de 4 milhões de sites pornográficos no ar — 12% de toda a web.

Estima-se que 42,7% dos usuários da internet acessem pornografia — sem contar os 34% dos usuários comuns que recebem conteúdo pornográfico indesejado. Os dizeres antigos sugeriam que consumir esse tipo de mídia “fazia mal”, “provocava o crescimento pelos nas mãos” e coisas do gênero.

Hoje em dia, com a informação ao alcance de todos, sabemos que a pornografia é algo “natural”, que trata-se de “uma forma de cada um explorar saudavelmente sua própria sexualidade”... Certo? Bom, talvez não seja bem assim.

Vício entre adolescentes
Antes da explosão da internet, era difícil que um adolescente, por exemplo, tivesse acesso à pornografia. Revistas adultas não eram vendidas para menores e todo o tipo de material era pago. Atualmente, é possível que qualquer um tenha em seu navegador centenas de vídeos pornográficos em questão de segundos — e de graça. Acontece que essa “facilidade” pode trazer grandes problemas.

Uma pesquisa publicada no The Telegraph em setembro de 2013 entrevistou 177 garotos com idades entre 16 e 20 anos na University of East London e descobriu que quase um quarto deles dependia de pornografia para ser estimulado sexualmente.

23% dos entrevistados disseram que tentaram parar de assistir à pornografia, mas que não conseguiam — 13% disseram que o hábito estava tornando-se “mais extremo” com o tempo e 7% precisaram recorrer a ajuda profissional.

Exposição excessiva
“Cerca de um quarto dos jovens tentou parar de usar e não conseguiu. Isso significa que há definitivamente um uso problemático de pornografia nesse grupo”, disse a psicóloga Dra. Amanda Roberts, responsável pela pesquisa.

“E isso é porque há cada vez mais exposição à pornografia, e é excessiva”, explicou. “É uma coisa que está danificando a autoestima deles, porque eles não se parecem com o que veem e então começam a esperar que as garotas se pareçam e ajam como estrelas pornô. Eles se sentem inadequados e a maioria diz que já se sentiu confuso e com raiva porque não conseguia parar”.

Ela está em todo lugar
No mesmo estudo, 80% das garotas da mesma idade — 16 a 20 anos — também viam pornografia. 8% delas disseram que não conseguiam parar de ver e 10% falaram que progressivamente buscavam por material mais extremo.

Segundo o professor Matt Field, psicólogo especialista em vícios de adolescentes na Universidade de Liverpool, adolescentes têm maior tendência a desenvolver vícios, e isso ocorre pelo modo com que seus cérebros se desenvolvem. Neurologicamente, a parte responsável pelo controle não amadurece até a idade dos vinte e poucos anos.

Pornografia é um tabu? Alguns diriam que sim. Sabemos que ainda é difícil que o tema seja discutido de forma séria e sem constrangimentos nos colégios, pelo Ministério da Saúde e pelos próprios pais em casa. Na questão educacional, a preocupação vem principalmente do fato de a pornografia ser algo banalizado — ela está em todo lugar.



Curiosa correlação com a atividade cerebral
Alguns estudos sugerem que os males atingem não apenas os jovens. Uma pesquisa feita no Instituto Max Planck, de Berlim, coletou dados de 64 homens saudáveis com idades entre 21 e 45 anos e questionou seus hábitos com pornografia. Aqueles que diziam passar muito tempo vendo pornografia possuíam menos atividade em regiões do cérebro ligadas à recompensa e motivação.

“Nós descobrimos que o volume do chamado corpo estriado — uma parte do cérebro que tem sido ligada ao processo de recompensa e comportamento motivado — era menor, de acordo com o consumo de pornografia informado pelos participantes”, disse Simone Kuhn, líder do estudo.

“Além disso, descobrimos que outra região do cérebro, que também é parte do corpo estriado e que está ativa quando as pessoas veem algum estímulo sexual, exibia menos ativação de acordo com a quantidade de pornografia consumida.”


Crise pública
Nos Estados Unidos, a situação parece estar um pouco fora de controle, fazendo com que várias militâncias se movimentem, vendo o hábito de consumo pornográfico como uma situação de crise pública — e não estamos nem falando de instituições religiosas.

“A pornografia é hoje a forma mais vulgarizada de educação sexual. Os estudos mostram que a idade média com que um americano é exposto pela primeira vez a imagens pornográficas é entre 11 e 14 anos e, acredite, não estamos falando da ‘Playboy do Papai’”, diz Gail Dines, professora de sociologia e de estudos femininos na Wheelock College de Boston e autora do livro “Pornolândia: Como a Pornografia Sequestrou Nossa Sexualidade”.

Gail escreve que deve-se educar as pessoas sobre como a pornografia de hoje realmente é e acabar com qualquer noção de que se trata de um estímulo benigno. “Hoje estamos trazendo uma geração de garotos a um tipo de pornografia cruel e violenta. E sabendo como imagens afetam as pessoas, isso vai trazer uma profunda influência em sua sexualidade, comportamento e atitudes em relação às mulheres”.

Objetificação feminina
Dines crê que a cultura da pornografia não afeta somente os homens, mas também muda o jeito como as garotas e mulheres pensam sobre seus corpos, sua sexualidade e seus relacionamentos. “Quanto mais as imagens pornográficas entram em nossa cultura comum, mais as garotas e mulheres são diminuídas de seu status humano e reduzidas a objetos sexuais”.

Donny Pauling, que trabalhou como produtor de filmes adultos por anos, saiu do ramo em 2006 e conta que presenciou os males da pornografia nas mulheres que eram filmadas. Ele diz não acreditar em discursos de estrelas pornô sobre como são elas que cuidam de seus próprios destinos. “Recrutei mais de 500 garotas para esse setor e nenhuma voltou para me agradecer”.

Mas será que é assim mesmo?
Em um estudo que realizou em 1986, o professor de psicologia Neil Malamuth chegou à conclusão de que, se um homem já é sexualmente agressivo e consome pornografia sexualmente agressiva, há grandes chances de que ele cometa um ato sexualmente agressivo.

Aparentemente, essa pesquisa tem sido usada por muitos militantes antipornografia, mas o próprio Malamuth diz que a coisa é um pouco mais complexa e compara o conteúdo pornográfico com o álcool.

“Para algumas pessoas, o álcool simplesmente tem o efeito de deixá-las mais relaxadas, permitindo que elas se divirtam mais”, explica. “Para outras pessoas, o álcool pode aumentar a probabilidade de que se comportem de forma violenta. Mas se eu simplesmente faço a generalização de que o álcool causa a violência ou leva à violência, você provavelmente diria que isso é ignorar uma série de detalhes.”



Uma perspectiva diferente
“É muito fácil, se você quer apoiar um lado ou outro, usar um estudo específico”, comenta o professor de telecomunicações da Universidade de Indiana Paul Wright, especialista em sexo na mídia. “Qualquer um pode apoiar um lado simplesmente isolando um estudo em especial e falando dele”.

Outro psicólogo, Chris Ferguson da Universidade Texa A&M, é um estudioso da relação entre mídia e comportamento violento e questiona se os resultados desses testes realmente se aplicariam na vida real. Mas obviamente, na vida real, os pesquisadores não teriam como controlar experimentos relacionados à pornografia.

Alguns estudiosos acreditam que haja um fator catártico na masturbação — quase sempre a parte na qual sempre culmina o consumo de pornografia. Porém, também não há provas conclusivas disso, apenas uma dedução baseada na observação da queda do índice de violência sexual em países que “descriminalizaram” a pornografia.

No fim das contas...

A relação entre pornografia e violência sexual tem alguma sustentação principalmente por causa de questões preocupantes — e inegáveis — ligadas ao assunto. Dois exemplos são as condições de trabalho dos atores pornográficos e a implícita pressão social de que as mulheres precisam se parecer com o arquétipo de uma atriz pornô: corpos esculturais, sexualmente insaciáveis e submissas à vontade de qualquer homem que queira fazer sexo com elas.

Apesar disso, alguns pesquisadores permaneceram estudando sobre esse tipo de mídia, acreditando que possa haver aspectos positivos nela. Malamuth diz que os experimentos têm mostrado que os consumidores de pornografia a veem como uma dádiva.

Vários estudos apontam males no uso de pornografia, mas eles são circunstanciais ou carecem de mais provas. Da mesma forma, a ala de pesquisadores que percebem um potencial positivo nesse tipo de consumo também parece não possuir evidências categóricas de seus benefícios.

Exceto pelo caso dos adolescentes, ainda não há uma resposta definitiva para a pergunta que intitula essa discussão. O assunto da pornografia envolve questões de ordem biológica, psicológica e social e precisa de muito mais análise por parte das disciplinas científicas envolvidas para que possamos dizer de forma conclusiva se ela é ou não prejudicial para a saúde física e mental de todos os usuários.

Fonte: TecMundo

O que achou? Deixe seu comentário!




0 comentários:

Postar um comentário