Toda forma de amor é válida

Muitos pensam que em outras épocas não havia casais homossexuais. No entanto, é grande equívoco, o qual será evidenciado neste artigo repleto de amor.


Optei por não colocar minhas próprias palavras pois acho o texto abaixo excelente. No entanto, acrescento: toda forma de amor é válida.

"É engraçado ver as pessoas pregando o amor ao próximo, buscando um mundo melhor e toda essa coisa de sociedade feliz e, ao mesmo tempo, tomando atitudes que desconsideram o amor alheio, desfavorecem um mundo mais decente e deformam a sociedade. Um clássico desse comportamento é a tal história de que família é formada por mulher, homem e filho(a) e que um casal do mesmo sexo não é família, não tem amor. É problema psicológico, é moda, defeito ou, ainda, é safadeza (é, eu já cheguei a escutar essa).

Apesar da legalidade que os casais homoafetivos já alcançaram através da união civil, a aceitação ainda tem um longo caminho a percorrer. E a ideia de que isso é errado parece tão enraizada na sociedade, que não é só religioso que tem preconceito. Já vi gente que se diz ateu, expressar ideias do tipo: “eu não ligo de ser gay, só não quero perto de mim”. Quer dizer, os religiosos acreditam que é errado pela crença que seguem – a discussão sobre como o fato deles acreditarem não tornar errado é longa e não cabe agora -, mas um ateu achar errado me parece mais estranho. Se alguém tiver uma explicação, por favor.

Enfim, a questão não é essa. O problema é que ao invés de achar que é moda, problema, ou qualquer outra coisa, por que não supor que é simplesmente amor?

Os casais nessas fotos não são uma afronta aos seus direitos, muito menos um perigo para a sociedade. São pessoas que se encontraram e decidiram que, juntos, a vida poderia ser melhor. Simples assim. Querer ser feliz com alguém não é exclusividade de homem ou de mulher, é coisa do ser humano, entende? Agora, se você não vê um humano nessa foto, me permito concluir que, bom, o problema não é a imagem, é você."












-Diego Braga

Fonte: Causas Perdidas

0 comentários:

Postar um comentário