5 Mitos (ou verdades) sobre a legalização da maconha

Vale a pena legalizar a maconha?
Vale a pena legalizar a maconha? Essa é uma pergunta muito ampla, complexa, frequentemente debatida e que precisa de estudo e tempo para ser respondida. 

Nos Estados Unidos, onde esse processo já começou (16 estados reviram suas leis para descriminalizar e legalizar o uso medicinal e recreativo da droga), um pesquisador encontrou 5 mitos relacionados à erva.

Doug Fine, autor do livro "Too High to Fail: Cannabis and the New Green Economic Revolution (Alterado demais para falhar: Cannabis e a nova revolução econômica verde, em uma tradução livre)", publicou um artigo no jornal The Washington Post neste sábado, explicando os resultados de sua pesquisa que durou três anos.
"Achei algumas ideias sobre a planta que simplesmente não se sustentam", afirma autor Doug Fine sobre maconha nos EUA

1 – Ao legalizar a maconha, mais pessoas passarão a usar a erva.
Doug Fine aponta que, após legalizar a erva e outras drogas, em 2001, Portugal viu o número de jovens que fumava maconha diminuir. O índice caiu de 14% para 10% em 5 anos após a implementação da medida, como mostra uma pesquisa publicada pela revista TIME.

Um outro estudo revelou que, em 2011, não houve aumento do uso da maconha entre alunos do ensino fundamental e médio no estado americano de Rhode Island, que legalizou a erva em 2006.
Quanto aos adultos, os números ainda são "misturados", descreve Doug Fine. Uma pesquisa da Universidade da Califórnia mostrou um ligeiro aumento do uso da maconha entre adultos após a Holanda legalizar a droga. Apesar disso, a taxa foi considerada um pouco inferior à média europeia.

2 – Todos os policiais se opõem à legalização.
Segundo Doug Fine, dois terços do orçamento americano para o combate à droga foi justamente direcionado para o setor de repressão. O que, segundo a sua visão, é a razão de ser do lobby em prol da criminalização da erva.

" É verdade que existe muito lobby para não acabar com a guerra mais cara dos EUA (que custou 1 trilhão de dólares), mas isso é porque ela é a razão de ser para o lobby", acredita o pesquisador.

Ele cita a criação de um grupo de oficiais na Califórnia (5 mil pessoas, ao todo), que busca a liberalização da erva e traz o depoimento de um delegado em uma cidade na Califórnia, que chegou até mesmo a defender produtores locais de maconha. Para esses oficiais, há outros problemas mais importantes a serem enfrentados nos EUA, e o uso da maconha não é o mais importante entre eles.

3 – O uso recreativo da droga seria o grande gerador de receita para a cannabis.
A cannabis industrial, comumente chamada de cânhamo, possui um grande potencial, e não se tratada da variedade usada na forma recreativa, diz o pesquisador.

Ele cita dois exemplo dessa funcionalidade diversa: "As montadoras BMW e Dodge usam fibras de cânhamo nos painéis das portas. Além disso, casas cujo isolamento e painéis de parede são feitos parcialmente de cânhamo representam uma tendência de rápido crescimento na indústria da construção europeia".

O pesquisador também traz dados de um relatório feito por um consultor para o Departamento de Agricultura do estado do Novo México, nos EUA. Segundo o texto, dez anos após o fim da guerra contra as drogas, a indústria do cânhamo chegará a faturar US$ 50 bilhões. "Isso é maior do que os US$ 40 bilhões que alguns economistas americanos preveem com a cannabis sendo fumada"

4 – Grandes empresas do tabaco e álcool controlariam a indústria da maconha.
Segundo Doug Fine, não. A razão para contradizer esse mito está no fato de que a indústria da maconha já é descentralizada nos EUA. O pesquisador traz o depoimento de Tomas Balogh, um dos fundadores de uma cooperativa de plantadores de cannabis na Califórnia.

"A indústria de cannabis já é descentralizada e de propriedade do fazendeiro. Cabe aos consumidores manter assim. As grandes companhias de bebidas alcóolicas podem controlar a loja da esquina, mas não a loja do vinho refinado ou o mercado dos fazendeiros", afirma o agricultor no artigo escrito por Doug Fine.

O pesquisador aponta que existem cerca de 100 milhões de aficionados pela maconha nos EUA (17
milhões deles fazem uso regular). "Eles vão poder escolher entre pegar um pacote para fumar antes de ir a um churrasco ou dedicar-se a desenvolver organicamente novas cepas da erva", acredita.

5 – A legalização é uma impossibilidade política.
Para o autor do livro, a questão já está sendo posta na mesa. Ele lembrou uma entrevista do presidente Obama, que, pela primeira vez, levou a sério a pergunta sobre a legalização da cannabis. Ele disse que ainda não apoia a questão, mas que tinha "peixes maiores para fritar" do que assediar os estados de Colorado e Washington, que legalizaram recentemente a droga.

Doug Fine lembra que, até em estados considerados conservadores nos EUA (Arizona, por exemplo), a discussão sobre legalização da maconha está avançando.

E argumenta por quê: "Eu moro em um local conservador no Novo México. No entanto, como uma mulher na fila do posto me disse recentemente: 'Foram as pílulas que mataram meu primo. Repreender a maconha apenas mantém os malditos cartéis no negócio'".

O que achou? Deixe seu comentário!


0 comentários:

Postar um comentário