Lado a Lado nos faz refletir sobre o negro no Brasil

Por que nas novelas têm mais atores negros? Por que nas favelas e nos presídios a maioria é negra? Neste artigo, através de um paralelo com a novela Lado a lado, da Rede Globo, discutiremos um pouco sobre o negro no Brasil.

Lado a Lado veio com uma proposta interessante: mostrar a situação dos negros após a abolição e a péssima aceitação das elites com a transição do Império à República.

Assistindo à novela entende-se que a abolição, embora um fato memorável e imprescindível, foi mal feita, pois os negros foram largados sem nenhuma condição de moradia e perspectiva de futuro. Sem ter onde morar, ocuparam os cortiços e foram vítimas de doenças que assolavam esse tipo de habitação. Com a ideia de modernizar a cidade do Rio, torná-la Paris, foram expulsos e obrigados a subir o morro, criando o que hoje conhecemos como favela. Nesse sentido, podemos entender o porquê das favelas terem como população predominante a negra.

Nas cidades, as elites seguiam suas vidas luxuosas aprendendo a lidar com a República e com o fato de não poderem mais escravizar os negros. O preconceito era fortíssimo. Não passam despercebidos falas em que ele está evidente, como "maldito o dia em que as portas da senzala foram abertas", "você até que fala bem para um negro", "aquela negrinha não sabe o lugar dela?!".  Lendo-as, muitos pensarão: "Isso é coisa do início do século passado... Ninguém pensa assim mais." Infelizmente, esse tipo de atitude é recorrente e atesta que ainda não evoluímos o suficiente para suprimir tal preconceito, ainda que tenhamos mais de 100 anos de diferença do ano 1910, no qual a novela se passa, e da Lei Áurea.

A mídia acaba colaborando para que o racismo seja mantido, à medida que mostra nas novelas, nos telejornais a cor branca como a mais bonita, a mais vitoriosa. Em suma, ela é colocada como sinônimo de sucesso. O negro sempre aparece nas novelas como o motorista, o zelador, o segurança. Os artistas considerados bonitos, em sua maioria, têm cabelo liso e pele clara. Isso dá a impressão de que na realidade os negros só servem para essas profissões e que os seus padrões estéticos são inferiores.

O racismo está tão enraizado que todos, sem percebermos, já possuímos, em algum momento, um pensamento racista. Por exemplo: quem nunca ficou com uma pulga atrás da orelha, quando um negro sem camisa, de bermudão e chinelo entra no ônibus?! Pensa-se: "ele pode me assaltar!" Quem nunca ficou inclinado a pensar: "Esse carro é desse negro mesmo?", quando se assiste a um carrão sendo dirigido por um negão. Não estou sendo preconceito, racista; estou apenas sendo realista. Inegavelmente, isto está no subconsciente da sociedade.

(Assista a esse vídeo ilustrativo do parágrafo acima)




Lado a Lado é um acerto pois nos mostra, de segunda a sexta, a nossa própria história, resgatando a importância que o negro teve para o Brasil, uma vez que participou da criação da capoeira e do samba, além de nos mostrar o quanto precisamos crescer ainda para que tenhamos uma sociedade em que negros e brancos tenham as mesmas oportunidades, que sejam tratados de forma igualitária.

Para finalizar, deixo mais dois vídeos para exemplificar o que eu disse e para que possam refletir mais. O primeiro evidência o quanto é asqueroso o racismo e quem o pratica e o segundo, a necessidade de se valorizar as diferenças desde a infância para se cultivar a igualdade:










Espero que tenham gostado!
Abraço!








0 comentários:

Postar um comentário