Começa simulação de missão em Marte

Seis astronautas voluntários, da China, Rússia e outros países da Europa, vão passar os próximos 520 dias fingindo que estão em Marte. É a mais nova e inusitada missão da Agência Espacial Europeia, que vai tentar simular uma situação o mais semelhante possível a uma viagem tripulada ao Planeta Vermelho.

O projeto, chamado de Mars500, custará 26 milhões de reais aos cofres da entidade espacial. O que vai acontecer, de maneira geral, é uma temporada de mais de 17 meses, sem interrupção, com seis cosmonautas presos na escotilha de uma base aérea de Moscou (Rússia,) como se estivessem a caminho de Marte.

O ambiente e as condições de uma viagem como essa serão imitados no maior número possível de detalhes: em um espaço de 550 metros cúbicos, mais ou menos o tamanho de uma sala média. Tirando a ausência de peso e a radiação solar, as outras condições físicas de uma missão como essa serão simuladas.

O traje dos astronautas pesa 32 quilos, e a comunicação da cápsula com o mundo exterior terá um atraso de 20 minutos. A saúde dos voluntários será minuciosamente medida nesse período. Amostras de urina e de sangue serão coletadas, já que eles só vão se alimentar de ração espacial e raramente tomarão banho, bem como acontece em qualquer travessia no espaço.

A situação de isolamento que os participantes vão vivenciar é parte das preocupações dos organizadores da missão. Haverá câmeras monitorando o comportamento diário dos seis “tripulantes”, e até psicólogos apontam problemas que podem acontecer.

Em uma missão semelhante, em 2000, dois astronautas se agrediram fisicamente e tentaram assediar uma tripulante feminina, devido ao desequilíbrio mental que a experiência causou. Diante de intermináveis dezessete meses presos em uma escotilha desconfortável, cada astronauta afirma que já planejou passatempos para suportar a missão.

Fonte: Reuters

0 comentários:

Postar um comentário