O triste momento da musica brasileira

Houve um tempo em que artistas como Elis Regina,Tom Jobim,Renato Russo,Cazuza,entre outros grandes,pisavam no solo verde e amarelo.Tempos em que dava gosto de ouvir música,seja ela dançante ou lenta.A qualidade era alta e não faltavam grandes nomes.Claro,sempre existiram coisas ruins,mas isso é normal.O que não é normal é esse momento infeliz da nossa música.


Funk,Axé e Forró Universitário são os principais ritmos na nossa musica,Há ainda há o Sertanejo universitário,que nada mais é do que um Pop.Mas há uma falta de criatividade muito incômoda hoje em dia.Os “artistas”(não sei se alguns são dignos de receber esse nome)de funk por exemplo,parecem sair de uma fábrica de montagem em série.São semelhantes uns aos outros,como copos descartáveis.Somente mudam de nome.O nível das letras(patético) é baixo,as vezes até chulo;os ritmos sempre são parecidos,e as vezes até o modo de se comportar no palco é semelhante.

No axé e no forró universitário,a mesma falta de criatividade.O efeito colateral disso são bandas e artistas que são simplesmente descartáveis.E porque?Porque os outros são semelhantes a eles.Se uma banda dessas acabar,ninguém sente falta.Há casos no forró universitário por exemplo(chamado no nordeste de “fuleragem music”),em que os músicos são mantidos quando uma banda acaba,e o que muda são apenas os cantores e o nome da banda.Ou seja,no final das contas,é a mesma coisa.Mas porque isso ocorre?

O motivo é financeiro.Quem está por trás dessas bandas e artistas,ganha um belo dinheiro.E não quer correr o risco de mudar a “fórmula” do lucro.Assim,corremos o risco de daqui a 5 ou 10 anos,estar escutando o mesmo tipo de ritmo,o mesmo tipo de letra,o mesmo tipo de apresentação.São patéticos,desprovidos de criatividade e talento,e nem deveriam ser chamados de artistas.Vamos torcer para que o samba,o pop-rock,a MPB e o reggae possam ressurgir das cinzas,e tragam de volta a boa música para o Brasil. 




Visite o blog Juventude Informada!
http://juventudeinformada.blogspot.com/

0 comentários:

Postar um comentário