A historia do ilusionismo

Ilusionismo (também chamado magia ou prestidigitação) é a arte cénica de entreter e sugestionar uma audiência criando ilusões que confundem e surpreendem, geralmente por darem a impressão de que algo impossível aconteceu, como se o executante tivesse poderes sobrenaturais. No entanto, esta ilusão da magia é criada totalmente por meios naturais. Os praticantes desta actividade designam-se mágicos ou ilusionistas.


 A arte da prestidigitação é baseada fundamentalmente na presteza dos dedos do mágico em manipular os equipamentos e acessórios usados nos truques. Cartaz anunciando um mágico

As ilusões mais conhecidas envolvem aparecimentos e desaparecimentos, transformações, uniões, leitura da mente, desafios às leis físicas e lógicas, e tudo o que desafia a explicação racional.
História

Os artifícios do ilusionismo existem desde o princípio dos tempos, utilizando, por exemplo, o xamanismo para demonstrar a condição de feiticeiro. No entanto, a profissão de ilusionista ganhou prestígio durante o século XVIII, e foi passando por diversas modas até se converter numa das formas mais populares de entretenimento.

O ilusionismo moderno deve grande parte das suas origens a Jean Eugène Robert-Houdin, relojoeiro, que abriu um teatro de magia em Paris na década de 1840.

Um dos mais famosos praticantes desta arte foi Houdini (1874-1926), o "Rei das Fugas", que morreu devido a um ataque súbito de um boxeador, incrédulo acerca da resistência física do Mágico, que afirmava ser capaz de levar um soco forte no estômago e não sentiria dor ou sofreria sequer consequências. O rapaz desferiu-lhe o socou-o antes que Harry Houdini estivesse preparado, ocasionando um problema interno que veio a causar a morte de Harry Houdini dias depois, na noite de 31 de Outubro.

Ao final do século XX, o Grande-Ilusionismo voltou a estar no auge pela mão de diversos executantes, como Doug Henning primeiro, e depois por seu pupilo David Copperfield através de programas televisivos, espectáculos na Broadway, e digressões mundiais.

fonte wikipédia

0 comentários:

Postar um comentário